Menu fechado

Postos Gerais de Fiscalização da SP-330 e SP-322 voltam

a operar com sistema inédito de pesagem  

Caminhões que trafegam pelas rodovias utilizarão sistema inovador de pesagem em movimento

Os Postos Gerais de Fiscalização (PGF) instalados nos kms 373 e 448 da rodovia Anhanguera (SP-330), na altura das cidades de Orlândia e Igarapava, retomaram hoje (1/09) a fiscalização dos caminhões. A medida vem acompanhada de uma novidade para os caminhoneiros que trafegam pela rodovia. A Entrevias Concessionária de Rodovias instalou o Sistema de Pesagem em Movimento de alta velocidade, o WIM (Weigh In Motion), tecnologia que registra peso, tamanho e outras medidas do caminhão sem que o veículo precise entrar nas balanças ou Postos Gerais de Fiscalização (PGF).

A Entrevias é a primeira concessionária no Brasil a operar o sistema WIM, uma inovação do Programa de Concessões Rodoviárias de São Paulo.

Com o retorno da pesagem e fiscalização dos veículos comerciais – sob responsabilidade do DER-SP – o WIM é uma novidade importante para o caminhoneiro, pois contribui para reduzir o tempo de viagens e melhora a performance da logística de entregas e de escoamento de produtos no país.

O Sistema de Pesagem em Movimento de alta velocidade está instalado em 4 pontos:

  • Rodovia Anhanguera (SP-330): km 373+000 norte e sul – próximo à cidade de Orlândia
  • Rodovia Anhanguera (SP-330): Km 448+000 sul – próximo à cidade de Igarapava
  • Rodovia Armando de Salles Oliveira (SP-322): Km 358+000 leste – próximo à cidade de Pitangueiras

Hoje (1/09), o WIM entrou em operação definitiva na rodovia Anhanguera – desde o ano passado estava em operação educativa – e, nos próximos dias, a fiscalização com o mesmo sistema começa a funcionar no PGF da SP-322.

Como funciona

A concessionária desenvolveu um modelo operacional inovador, que garante a facilidade de identificação de todos os veículos e direciona para entrada e pesagem no PGF somente os caminhões que estiverem com o peso ou as dimensões (largura ou altura) muito próximos dos limites da respectiva categoria, para que seja possível uma verificação mais precisa dessas características.

A concessionária instalou pórticos sobre as faixas de rolamento que estão equipados com câmeras com capacidade para identificação de placas (OCR), leitoras de tags de radiofrequência, scaner laser e câmeras panorâmicas. No pavimento das rodovias, foram instalados os sensores de peso e, com a integração dos equipamentos, é possível detectar a classificação do veículo, o peso bruto total, peso por eixo e por conjunto de eixo, além de identificar a placa de veículo, suas dimensões (altura, largura, comprimento).

“O sistema tem alta tecnologia embarcada e oferece de maneira rápida, segura e precisa um diagnóstico completo do veículo. Compara, por exemplo, suas dimensões com as especificações das tabelas oficiais do DER e alerta para possíveis discrepâncias, que serão, então, verificadas no sistema de pesagem tradicional”, explica Luiz Torelli, diretor de Operações da Entrevias.

O WIM está previsto no contrato de concessão da Entrevias e, desde o início de sua operação – em meados de 2020, primeiro em uma fase educativa – Artesp e DER acompanham o desempenho do sistema.

Para informar os caminhoneiros, a Entrevias realiza uma campanha de comunicação, apresentando o funcionamento do sistema e suas vantagens. Um vídeo está sendo divulgado em redes digitais que têm como principal público os caminhoneiros e encontra-se no canal do Youtube da concessionária.

"Com objetivo de sempre melhorar a viagem dos usuários das rodovias concedidas do estado de São Paulo, a ARTESP aposta em inovação e tecnologia. O Sistema de Pesagem em Movimento e Alta Velocidade é uma das novidades do Programa de Concessão Rodoviário de São Paulo que facilitará a vida dos caminhoneiros" afirma Milton Persoli, diretor Geral da ARTESP.

Caminhoneiro aprova  

Genésio José Safanelli, com 25 anos como motorista de caminhão aprovou a agilidade da balança com pesagem em movimento. “É mais prática e economiza nosso tempo. Principalmente quando o caminhão já foi descarregado e está vazio, ele não precisa ficar em filas”, contou.

Seu colega de trabalho, Leonardo da Silva concordou, “seria excelente se em todas as rodovias tivessem esse tipo de balança, nosso tempo de viagem ficaria mais curto”. Os caminhoneiros de Santa Catarina contam que viajam o país todo e já se atrasaram por conta da pesagem obrigatória.

O Sistema WIM agrega valor ao trabalho dos motoristas de cargas em trânsito rodoviário, que transportam mercadorias para diversas frentes do país, segundo apontou Abadia Matheus, diretora do Sest/Senat de Ribeirão Preto.

“A alta tecnologia de análise de dados informatizados, com observância em sua área de controle, contempla maior celeridade, segurança para identificação profissional e da mercadoria transportada, cujos dados monitorados e armazenados refletem confiabilidade. Afinal, remete à leitura do cenário com informações técnicas operacionais que possibilitam maior segurança ao embarcador”, acrescentou.

Canal de Ética e Privacidade