Menu fechado

 

 

 

Duplicação da SP-333 segue com recomposição vegetal entre Marília e Júlio Mesquita

Serviços são feitos nos 19 quilômetros que liga as duas localidades; trecho está com mais de 80% da obra concluída

A duplicação de 67 quilômetros da SP-333 (Rodovia Dona Leonor Mendes de Barros), na região de Marília, a cargo da Entrevias Concessionária de Rodovias, vai dar aos usuários da via uma nova experiência de mobilidade, com segurança e fluidez. Um dos trechos, de 19 quilômetros de extensão, entre Marília e Júlio Mesquita, já está com 80% dos serviços concluídos e começou a recomposição vegetal, que visa evitar erosão de taludes e aterros. Após a terraplanagem, é feito o plantio de grama. A duplicação cumpre o contrato de concessão firmado com a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp).

Já no trecho que liga Marília a Echaporã, são 48 quilômetros de pista sendo duplicados, numa obra mais complexa com nove dispositivos, retornos comuns e subterrâneos. O dispositivo do quilômetro 356 está em fase de concretagem das vigas para, em seguida, ser feita a laje. Essa passagem será para acessar a cidade de Oscar Bressani pelos motoristas oriundos de Assis e para acessar a cidade de Marília pelos motoristas oriundos de Oscar Bressane. No quilômetro 369, os motoristas estão trafegando por um desvio lateral temporário, feito para enquanto a obra estiver em execução. Nesse ponto, também terá um dispositivo, que está na fundação. Esta obra permitirá o retorno de motoristas que trafegam no sentido Assis-Marilia. O mesmo acontece no quilômetro 370, que será o retorno para os motoristas que estiverem no sentido contrário, ou seja, Marília/Assis.

No início de maio também foram lançadas as vigas do dispositivo dos quilômetros 350 e 384. Ambos serão para retorno, cada um em um sentido da pista. "Os benefícios aos usuários são que eles terão uma pista com muito mais acessos, retornos e segurança. A viagem será otimizada, além de contarem com uma estrutura igual às melhores rodovias do País", explica Eugênio Santos, gerente de Obras da Entrevias.

Canal de Ética e Privacidade